Quercus apresenta em Caminha o projeto LIFE+ "HIGRO" para conservar habitats prioritários de montanha

Visita à área do projecto HIGRO Arga de Cima 2285No passado dia 31 de Agosto, a Quercus promoveu uma ação de apresentação do projeto "HIGRO – Ações demonstrativas para a conservação de habitats prioritários de montanha no Norte de Portugal" em Caminha (Arga de Cima), o qual é co-financiado pelo Programa Life+ da União Europeia.

 

Durante o evento, que teve o apoio da Câmara Municipal de Caminha e da Junta de Freguesia de Arga de Cima e contou com a presença de cerca de 60 participantes, foi realizado um percurso pedestre na área do projeto para conhecimento dos seus valores naturais e inaugurada a exposição sobre conservação de habitats prioritários de montanha que irá estar patente ao público no Centro de Interpretação da Serra d' Arga durante o mês de Setembro. Após a apresentação de um documentário sobre o HIGRO, a iniciativa culminou com a oferta de um lanche aos participantes.

 

O projeto HIGRO, com duração de 40 meses (setembro de 2010 a dezembro de 2013), está a ser implementado em três sítios da rede Natura 2000: "Serra de Arga", "Alvão-Marão" e Serra de Montemuro. A intervenção incide essencialmente sobre baldios comunitários distribuídos por seis Municípios (Caminha, Viana do Castelo, Vila Pouca de Aguiar, Mondim de Basto, Castro Daire e Resende), numa área total de cerca de 160 hectares.

 

Roça de matos em Arga de Cima serra de Arga

Roça de matos em Arga de Cima (serra de Arga) 

 

O HIGRO tem como objetivo central definir uma metodologia que promova a restauração e a conservação ativa de dois habitats prioritários (urzais-tojais higrófilos e cervunais(1)), procurando avaliar as técnicas de gestão que induzem uma maior diversidade e promovem a conservação da flora RELAPE (espécies Raras, Endémicas, Localizadas, Ameaçadas ou em Perigo de Extinção) e de espécies da fauna ameaçada, das quais se destacam algumas plantas vasculares [e.g. genciana-das-turfeiras (Gentiana pneumonanthe) e arranha-lobos (Genista berberidea)] e invertebrados [e.g. borboleta-azul-das-turfeiras (Phengaris alcon) e libelinha-de-mercúrio (Coenagrion mercuriale)].

 

Gestão das áreas também envolve as populações locais

 

Exposição sobre conservação de habitats prioritários de montanha

Exposição sobre conservação de habitats prioritários de montanha. Fotos © Paulo Monteiro
 

As ações de gestão dos habitats previstas compreendem o controlo mecânico da vegetação arbustiva e herbácea, o restauro da hidrologia natural, a instalação de vedações e a promoção do pastoreio de percurso através da celebração de contratos com diversos produtores de gado locais, dado que o maneio deste tipo de habitats está intimamente ligado à actividade tradicional de pastorícia em regime extensivo, algo que se encontra em franca regressão nas áreas montanhosas abrangidas pelo projeto.

 

A implementação do projeto pressupõe a prévia celebração de contratos de gestão com as entidades administradoras de baldios e particulares, com aplicação de mecanismos de compensação pela afetação destas áreas à conservação da natureza. Desta forma, procura-se criar um complemento económico com base na manutenção da integridade dos habitats e da biodiversidade associada.

 

Lisboa, 6 de Setembro de 2013

A Direcção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

 

 

(1) Nota para os editores:

Habitats a conservar

· Urzais-tojais higrófilos [(4020) *Charnecas húmidas atlânticas temperadas de Erica ciliaris e Erica tetralix];

· Cervunais [(6230) *Formações herbáceas de Nardus, ricas em espécies, em substratos silicosos das zonas montanas (das zonas submontanas da Europa continental)].

Share

Quercus TV

       

 

Espreite também o Quercus TV.

 

 

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb