residuosO Governo está a preparar o Plano Estratégico dos Resíduos Urbanos 2013-2020, tendo como principal condicionante a meta comunitária de 50% de reciclagem em 2020. A Quercus aproveita para divulgar as duas medidas que considera essenciais para se alcançar esse objetivo, nomeadamente uma maior aposta na recolha selectiva porta-a-porta em substituição dos ecopontos e o reforço do aproveitamento de recicláveis em unidades de Tratamento Mecânico e Biológico.

 

1 – Alargamento do sistema de recolha porta-a-porta

 

A Quercus propõe a substituição gradual dos ecopontos pelo sistema de recolha seletiva porta-a-porta, uma vez que as taxas de recolha obtidas com os ecopontos têm vindo a estagnar, enquanto que nos sistemas com porta-a-porta, como são os casos de Lisboa e da Maia, a taxa de recolha de recicláveis apresenta valores muito superiores aos ecopontos.

A recolha porta-a-porta é o sistema generalizado nos países europeus com mais elevadas taxas de reciclagem e tem tido sucesso porque é de fácil utilização pelos cidadãos que não têm assim de se deslocar distâncias, por vezes significativas, até ao local de deposição dos recicláveis.

 

Por outro lado, devido à maior quantidade de recicláveis recolhidos, as autarquias têm uma maior receita. Como na recolha porta-a-porta há uma substituição dos circuitos de recolha de indiferenciados pelos da recolha seletiva, verifica-se também uma diminuição dos custos da recolha.

 

Em conclusão, a recolha porta-a-porta permite mais elevadas taxas de recolha e menores custos do que o sistema de ecopontos.

 

2 – Aumento do Tratamento Mecânico e Biológico (TMB)

 

O sistema de TMB é uma alternativa aos aterros e à incineração como destino dos resíduos indiferenciados, ou seja daqueles que as pessoas não separam, sendo um processo mais barato do que a incineração. Através deste sistema os resíduos são separados em três frações: materiais recicláveis, matéria orgânica e rejeitados.

 

Os materiais recicláveis são encaminhados para empresas de reciclagem, gerando receitas significativas para as autarquias, contribuindo para o cumprimento das metas de reciclagem, o desenvolvimento da economia nacional e a criação de postos de trabalho.

 

A matéria orgânica é tratada através de processos biológicos, como a digestão anaeróbia e a compostagem, produzindo composto que serve para a recuperação dos muitos solos portugueses com baixos teores de matéria orgânica e também biogás, uma fonte de energia renovável.


A reciclagem da matéria orgânica nos TMB também permitirá cumprir a meta da Diretiva europeia que obriga à redução da matéria orgânica em aterro.

 

Portugal já possui unidades de TMB que são referência a nível europeu em termos de reciclagem de resíduos, sendo que a mais eficiente consegue reciclar mais de 60% dos resíduos, enquanto a média nacional de reciclagem é de 20%.

 

No caso do sistema da Valnor, onde existe um TMB, só em 2012 foram reciclados 33,3 kg por habitante de plástico, enquanto a média nacional foi inferior a 5 kg por habitante.

Face a estes dados a Quercus propõe que se tomem as seguintes medidas em relação aos TMB:

 

- Melhorar o funcionamento dos TMB com baixa taxa de reciclagem, como são os casos dos TMB da ERSUC (sistema dos distritos de Aveiro e Coimbra) e da Tratolixo (Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra). Com esta medida estes sistemas passariam a ter receitas substanciais pela venda dos materiais recicláveis melhorando assim a sua situação financeira, o que seria particularmente relevante no caso da Tratolixo.

- Construir TMB a montante dos incineradores dos sistemas da Valorsul (Grande Lisboa) e Lipor (Grande Porto), de forma a aumentar a reciclagem nos dois maiores sistemas de resíduos urbanos portugueses que por terem apostado na incineração e não tendo unidades de TMB não conseguirão cumprir a meta de 50% de reciclagem. A Quercus considera inconcebível que os dois maiores sistemas de gestão de resíduos urbanos portugueses possam não vir a cumprir as metas de reciclagem.

- Aumentar a capacidade dos TMB existentes em diversos sistemas com grande dimensão, tais como a Amarsul (distrito de Setúbal), Suldouro (Gaia e Vila da Feira) e Algar (Algarve). Com esta medida, para além de se reciclar mais, reduzir-se-ão substancialmente os resíduos a enviar para aterro.

 

 

Lisboa, 28 de Junho de 2013

 

Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

 

 

Share
No mês passado Outubro 2018 Próximo mês
D S
week 40 1 2 3 4 5 6
week 41 7 8 9 10 11 12 13
week 42 14 15 16 17 18 19 20
week 43 21 22 23 24 25 26 27
week 44 28 29 30 31

Quercus TV

 

Espreite também o nosso Canal no VIMEO.

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb