Plano para os Resíduos Urbanos (PERSU II): UMA OPORTUNIDADE PERDIDA

O novo Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU II), colocado recentemente em discussão pública pelo Ministério do Ambiente, não favorece a reciclagem, uma vez que prevê gastar a maior fatia do dinheiro disponível em novas unidades de incineração, deixando a reciclagem com verbas insuficientes.

 

Na estimativa de investimentos sujeitos a comparticipação previstos para 2007 a 2013, estes são os aspectos que a Quercus considera mais críticos:

 

1 – Incineração: 300 milhões de euros

Dos 924 milhões de euros que serão financiados, a incineração recebe a maior fatia com 300 milhões, deixando poucas verbas para se avançar com uma política séria de reciclagem

 

2 – Reciclagem da matéria orgânica: 278 milhões de euros

O investimento nos processos de reciclagem de resíduos orgânicos é insuficiente e vai permitir que a matéria orgânica continue a ser descarregada em grandes quantidades nos aterros, com a consequente poluição das águas, libertação de maus cheiros e emissão de gases de efeito de estufa.

Um dos processos que não é devidamente apoiado é o Tratamento Mecânico e Biológico dos resíduos, o que é um erro, uma vez que este sistema permite aproveitar a matéria orgânica e muitos materiais recicláveis a partir dos resíduos não separados.

 

3 – Recolha selectiva: 33 milhões de euros

O desvio de fundos para a incineração inviabiliza um investimento sério na recolha selectiva, à qual será dedicado apenas 3,5% do investimento total. 

O pouco apoio à recolha selectiva também se reflecte no facto de este plano  abandonar a ideia prevista na versão original de obrigar à recolha selectiva porta-a-porta, a qual se tem revelado a melhor forma de aumentar a quantidade de resíduos a reciclar.

 

A Quercus apela ao Ministério do Ambiente para que altere este plano de investimentos, uma vez que com a proposta actual ficam seriamente comprometidos os objectivos de reciclagem a que o País está obrigado, assim como se irão manter muitos dos problemas ambientais provocados pelos aterros.

 

Para o PERSU II ganhar ambição e se tornar uma ferramenta a favor da reciclagem, do emprego, da economia e do ambiente em geral, a aposta tem de ser num maior investimento na recolha selectiva porta-a-porta e no Tratamento Mecânico e Biológico, processos que o próprio Ministério reconhece como fundamentais, mas aos quais incompreensivelmente não pretende dar o devido apoio.

 

 

 

Share

Quercus TV

 

Espreite também a Quercus TV.

 

 

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb