Poluição excessiva no Rio Tejo

Quercus quer atuação firme do Ministério do Ambiente sobre descargas de empresa em Vila Velha de Ródão 

 

 

rio tejoA Quercus recebeu nos últimos dias, várias denúncias de cidadãos, denunciando descarga poluente de extrema gravidade no rio Tejo com uma coloração acastanhada e com muita espuma à superfície, alegadamente com origem numa celulose em Vila Velha de Ródão.

 

As descargas poluentes têm sido recorrentes nos últimos anos, e a espuma que ao longo dos últimos dias tem sido visível no rio Tejo, em particular junto ao açude de Abrantes e junto à Barragem de Belver, tem origem numa fonte de poluição junto à Ribeira do Açafal, afluente do Tejo, em Vila Velha de Ródão.

 

Da atuação anterior das autoridades já tinha resultado um levantamento de Auto de Notícia por Crime contra a Natureza, remetido para o Tribunal Judicial da Comarca de Castelo Branco e autos de Notícia por Contra-Ordenação, remetidos para a Agência Portuguesa do Ambiente (APA - ARH Tejo).

 

Na sequência destas denúncias, a Quercus tem vindo a alertar as autoridades para a poluição no Rio Tejo. Esta situação ocorre pela falta de atuação em conformidade com a gravidade da situação, por parte da Agência Portuguesa do Ambiente e do próprio Ministério do Ambiente. 

 

O Ministério do Ambiente em dezembro de 2015, já referia que “identificou os efluentes da empresa Celtejo, em Vila Velha de Ródão, como um preocupante foco de poluição do rio Tejo”.

 

O Relatório da Comissão de Acompanhamento sobre a Poluição do Rio Tejo, propõe uma “redução do caudal e da carga orgânica poluente nos efluentes setoriais e no efluente rejeitado no meio hídrico pela Celtejo, por recurso à ampliação ou substituição da atual ETAR”.

 

A Celtejo - Empresa de Celulose do Tejo, S.A., do grupo Altri, tem um projeto de investimento ao abrigo do Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial e Empreendedorismo (Inovação Produtiva Não PME), para a introdução de inovações no processo de produção de pasta de papel ‘tissue’. Isto significa que o projeto éfinanciado por fundos europeus, que no caso da Celtejo são 21,37 milhões de euros.

 

A Quercus considera inaceitável a recorrência de crimes ambientais por parte de entidades infratoras e apela ao senhor Ministro do Ambiente para retirar a licença de descarga de efluente e a licença de exploração, até resolução definitiva dos problemas que atingem o rio Tejo.

 

Lisboa, 9 de fevereiro de 2017


A Direção Nacional da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza

 

 

Share
Quercus ® Todos os direitos reservados
Site criado por PTWS Alojamento Web e WebDesign